XÉ POVO

2003 Maianga

É DOCE MORRER NO MARDorival Caymmi

É doce morrer no mar
Nas ondas verdes do mar
É doce morrer no mar
Nas ondas verdes do mar
A noite que ele não veio foi
Foi de tristeza pra mim
Saveiro voltou sozinho
Triste noite foi pra mim
É doce morrer no mar
Nas ondas verdes do mar
É doce morrer no mar
Nas ondas verdes do mar
Saveiro partiu de noite foi
Madrugada não voltou
O marinheiro bonito
Sereia do mar levou
É doce morrer no mar
Nas ondas verdes do mar
É doce morrer no mar
Nas ondas verdes do mar
Nas ondas verdes do mar, meu bem
Ele se foi afogar
Fez sua cama de noivo
No colo de Iemanjá
É doce morrer no mar
Nas ondas verdes do mar
É doce morrer no mar
Nas ondas verdes do mar

SAN FRANCISCOPaulo Flores

Se eu quiser eu falo agora quem puder me deixa ir embora
Que eu vou pisar o risco vou pra Lua de San Francisco
Vou pela madrugada quando a rua está deitada
Não há carros na avenida nem na ilha namorada
Não há carros na avenida nem na ilha namorada
Nem a lua testemunha
Nessa hora em meu favor
Nem a tua voz me guia
Nem a tua meu amor
Eu sorrio quando posso
Não quando querem os homens
Ou as mulheres
Por isso vou por aí ao sabor dessa maré
Nessa mesma posição
Estiveram João, Pedro, Paulo, Lucas e Tomé
Nessa mesma posição

N'GUXIRosita Palma

Uá tu jukui’lô messu yo uai yo
Uá tu dikissi’iô n’jila yó uai yó
Uá tu menessene’ô kidi yó uai yó
Uá tu tandussi’iô polo yó uai yó
Tu dídie nguxi kaie buama
Se mukuá kudima
Kuat’ó ditemu diaie
Sálu sálu kiá
Banga yú ni vontadi
Ixi ietu dia ngola
Iá luki’ó maínga
Iá tatá ni mona
Iá cukú ni mulaúla
Tu landukié nguma iô zongolo

FUMOPaulo Flores

Fumo na minha cabeça gente que passa
Bué de fumo das vistas
Fumo naquela barriga vazia
Caté que arrepia
Fumo naquela dikota porque ela sabe
Porque ela suporta
Fumo da cor da vergonha fuma na fronha
Dessa gente que sonha
Fumo da cor da bandeira fumo de esteira
Que nos faz acreditar que nos faz acreditar
O rei da fumarada ganzou a bicharada toda do seu reino
E é tanta fumarada que até a criançada almoçou só cheiro
Até a minha amada acorda tresloucada despida com aprumo
Está feia e desdentada porém não sente nada
Por causa do fumo por causa do fumo
Fuma só fuma sim fumo na minha cabeça gin
Fumo em si fumo em dó o nosso rei nem olha só
Fuma só fuma sim fumo na minha cabeça gin
Fumo em si fumo em dó o nosso rei nem olha só

LUANDA DOS AFOGADOSPaulo Flores

Ali naquele edifício já houve uma casa de pão
Foi onde trabalhou o Beto que morreu de overdose
Em cima de uma menina no chão
Sabem que ele até deixou escrito num cartão postal
Parece que já sabia que morreria com a filha do general
Ainda por cima uma menina dizia o tal
Não me queiras não me importo
Não me beijes não suporto
Não me gritem aos ouvidos
Não se digam meu amigos
É que eu me fiz ao mundo um dia
Ou me fizeram mundo nem reparei
É que a pressa era tanta e a malta ainda se espanta
Mas porquê, para quê, porquê?

CAMARADA PATOPaulo Flores

Camarada, patos fora da cozinha
Não tem nada
Que saber de mim
Camarada, deixa os n’dengues na entrada da vizinha
Ninguém quer esse barulho aqui no fundo...
Desde a namorada
Maldita namorada eu estou assim
Um pouco estúpido fígado ruim
Um tanto hipócrita será que é do fígado
Nem assim eu sei, nem assim eu sei...

BELINAArtur Nunes

Belina tua kifikidieto
Mu tuala muené
O nguma ge já kukala kumuxima
Tua jia kia muené
Nguma ikala boxi
Longa ikala ku muxima
Eue male lélé ndando nguma
Kamba kisueia boso tuala
Mameno iô dilô Belina
Tateno iô dilô Belina
Até kia bô muvué Belina
Até kia bô muvué Belina
Até kia bô muvué zé ngana
He Belinee
He Belinee

SI UN CATADÁPaulo Flores

Um bom poeta nunca sai do compasso
A cobra que nunca desgruda da mão
O teu segredo eu provo com o meu veneno
Nossos pedaços espalhados no chão
Nossos pedaços espalhados no chão
Si un catadá, si un catada oh...
Si un catadá, si un catada
Meu amor não dá com a margem desse rio
Onde eu vou levar agasalho pro seu frio
Meu amor não dá com a margem desse rio
Onde eu vou levar agasalho pro seu frio
Si un catadá, si un catada oh...
Si un catadá, si un catada

MANICOKituxi


Ué lé lé

Ué lé lé
Ué manico muene uá bange ni ngazuze
Uá bangesa madika pala ku tunda ku bata
Ué madika uaiaié
Ó manico uá xala kubeka uaiazé
Ó manico uá xala ni ubeka uaié
Ó manico, ó manico
Ó ua xala kubeka – ué
Ó manico, ó manico
Ó ua xala kubeka – ué

FALSO TESTEMUNHOAntónio Vieira

Falso testemunho ta doe
Dor que cata cabe nunca
Na nos coraçon
Falso testemunho ta doe
Dor que cata cabe nunca
Na nos coraçon
Praque mentira
So pa oia no ta sofre
Pra que egoísmo
Pa straga nos felicidade
Nhos dixam vive
Mal que cum cre
Quel cum tem na peito
Quel cum tem na alma
O que na nhá coraçon ta sinti
Oi mundo oi mundo
Voltano na paz
Tirano dês flagelo
Oi mundo
Disconfiança que puder

BÉ BÉPaulo Flores e Albano Cardoso

Bé bé deixaram a conta pro povo pagar...
Beber!
A flor do cujo exposta
A flor do dito cujo em postas
Te vi na TV
Divina pena te vi na TV
A flor do cujo exposta
A flor do dito cujo em postas
Te vi na TV
Divina pena te vi na TV
Que pena que pena
Na rama rema ré mi
Na força ouça e cresça
Na rema rema ré mi
Na força ouça e cresça
Que amanhã vai ser dia
Vai ser dia amanhã
Que amanhã vai ser dia
Vai ser dia amanhã

XÉ POVOPaulo Flores

De manhã bem manhãzinha
Lá vai a minha sobrinha com o resto desse povo
De manhã bem manhãzinha
Sacode a minha vizinha descendo o morro
Sacode não sacode macode não macode
Se não me dás eu morro
Xé povo xé xé povo
Todos fingem nos caminhos
Que empurram esse povo
Olha só tanta poeira nas calinas do muangolê
Olha só tanta poeira nas kinamas do muangolê
Olha os buracos da estrada do caminho do muangolê
Olha a força da chegada ao destino do muangolê