RECOMPASSO

1999 Paulo Flores

ANOS DEPOISPaulo Flores

Quanto sacrifício
Quantos ainda dormem
Quantos da cor do homem
Quantos da cor do muro
Do homem puro do homem futuro
Quanto já tombaram tantos os fizeram tombar
Quantos sorrisos à espera
Espera do tom dos olhos
Dos olhos secos frios sem esperança
Quem fez partir o sonho
Quem fez o n’dengue chorar
Como foi que nos deixámos sós
Como nos perdemos no tempo
No tempo nos deixamos ficar
Distantes como há tanto tempo
Perguntem ao negro velho
O que ainda lhe faz chorar
Se o partir das correntes
As cartas de alforria
O futuro à sua frente
A utopia de ser gente
Chega de tanto sofrer, chega de tanto esperar
É hora de acreditar é hora de estender-te a mão
E o vento forte do sertão
E ao vento forte do sertão responderão
Monangambé...

MENINO DESTINOPaulo Flores

Dá-me da tua mão o meu destino
Faz-me o tempo chegar correndo a passo
Tráz-me no teu abraço o reconforto, bicho solto
Traz-me nessa cadência o recompasso
E a dor das mães de Maio na Argentina
Traz-me no teu laço
Menino destino, leve como o amor menino
Menino e senhor do seu destino
Menino destino, leve como o amor menino
Menino e senhor do seu destino

POEMA DO SEMBAPaulo Flores

O Semba Semba é canto de avenida
é chuva de Primavera
Semba é morte Semba é vida
O Semba Semba é meu choro dolente
olhar nossa vida de frente
Semba é suor Semba é gente
O canto do Semba o canto do Semba ele é nobre
O canto do Semba ele é rico, o canto do Semba ele é pobre
O Semba no morro o Semba no morro é fogueira
O Semba que traz liberdade o Semba da nossa bandeira
O Semba é canuco de rua, na escola da vida ele cresce
De tanto apanhar se habitua, na escola da vida ele cresce
De tanto apanhar se habitua
A voz do meu Semba a voz do meu Semba urbano
É a voz que me faz suportar o orgulho em ser Angolano
É a voz que me faz suportar o orgulho em ser Angolano

É SÓ MA BÔPaulo Flores

Bô é nha risco nha vinho nha marisco
Bô e nha tema nha livro nha poema
Tu és o meu ofício teu cheiro é meu vício
Tu és o meu nexo meu concâvo e convexo
É só ma bô qum ta ser feliz
Cretcheu é bô
Que sempre um quiz
Tu és o meu Ghandi meu ouro meu rubi
Bô é nha lema mha livro nha dilema
Bô é nha prince, nha joker nha disco dance
Tu és o meu guia meu sonho e fantasia

ZÉ INÁCIOPaulo Flores

Zé Inácio, pega fácil, capina na esquina do mundo
Dá o coro, Zé cabaret pega a estrada
Vende haxixe e cocaína que a Odalina paga
Odalina tão menina trabalha na esquina da rua
Vende o corpo, quando cai cala seu choro
Ao gemer sufoca um grito, ai se é aqui que eu morro
Ai se é aqui que eu fico, ai se é aqui que eu morro
Ai se é aqui que eu fico
O Zé saiu da lavoura foi procurar outra esquina
Deu de cara com a esperança do amor dessa menina
O Zé disse meu amor que queres para trocar
O andar de cama em cama, braço em braço
Pelo meu lar
E gemeu do seu gemer e beijou do seu beijar
E a linda Odalina já amava só de amar
Por querer calou seu choro, por prazer falou seu grito
Ai que eu aqui não morro ai que eu aqui não fico
Ai que eu aqui não morro ai que eu aqui não fico

CANTO À SOLTAPaulo Flores

Sonhei que tudo era mentira sonhei
Sonhei que chegavas ao amanhecer
Que inventaras tudo pra gente aprender
Que importante nessa vida é saber dizer
Te amo, te quero, te espero
E canto esse reggae para não chorar
Para recordar o teu sorriso aberto
E o teu jeito esperto de olhar o céu
O céu que eu sei que te acolheu
Faz essa canção que nasceu
Pro primo que eu tenho no céu
Faz esa canção que nasceu
Pro primo que eu tenho no céu
Será que vais lembrar de mim quando chegar (chegar a hora)
Da minha partida e a gente se encontrar
Será que mereço ter também meu espaço
Nesse paraíso onde estás agora
Lembrarás meu nome quando enfim chegar (chegar a hora)
Esse meu canto à solta
Esse meu grito em revolta
Faz essa canção que nasceu
Pro primo que eu tenho no céu
Faz essa canção que nasceu
Pro primo que eu tenho no céu

OLHOS LUZPaulo Flores

Olhos luz minha luz me seduz
Que eu quero que você seja a minha cruz
Minha dor minha mágoa suave brilho
Nos meus olhos de água
Noite fria em braços de Morfeu
No outro dia dormi contigo eu
No meu sonho eras minha profilaxia
Minha gueixa minha fantasia
Meu cavalo minha espada e minha cruzada
Minha sorte minha lida minha própria vida
Minha amada minha amiga minha própria vida
Minha lua minha estrela flor-de-lis tão bela
Minha sorte minha lida minha própria vida
Minha amada minha amiga minha própria vida

THE WORLD OF LOVEPaulo Flores

One word for you to think about it
One word for you to think about it
Love, is it so hard to be loved
Love, is it so hard to have it
Is it so hard, is it so hard?
One man comes in your direction
One man comes in your direction
Singing the song of his life
Singing the song of his life
Maybe you will think that he’s crazy
Is he crazy?
Give me your love or I will borrow it
If not tomorrow I will feel sorrow
Give me your love or I will borrow it
If not tomorrow I will feel sorrow
One woman looking through a window
One woman looking through a window
Still waits the love of her life
Still waits the love of her life
Maybe you will think that she’s crazy
Is she crazy?

N'ZAMBI N'ZAMBIPaulo Flores

Onde está meu amor onde está
Onde está teu calor meu amor onde está
Porque só resta a dor nesta dor de toda a hora
Por meu amor
Onde vai teu caminho onde vai
Onde está teu carinho também onde está
Porque estou tão sozinho
Porque é que te foste embora oh meu amor
Oh n’zambi n’zambi n’dengue iami
Foi embora n’zambi n’zambi
Oh n’zambi n’zambi n’dengue iami
Foi embora n’zambi n’zambi

ISUA IOSOJuju Tony e Paulo Flores / Juju Tony

Ene isua ioso molo kuata kueno
Ene isua ioso molo kuata kueno
Kibeto ku mukuto mu kutando muelêia
Mu kutando nria chieto molo tuta n’zé muelêia
Molo tubana kibeto etu tunubana ioso muandala
Eto n’gueto n’dingui kuandaleto n`givunda
Kuandaleto maka, kuandaleto kutubeta
Kuandaleto kutugiba n’gueto n’gueto n’gueto
N’deno n’deno n’deno n’deno kia bu xieno
N’deno n’deno n’deno n’jilla jia jukulé
E o tempo passou...
E a gente sempre a apanhar e o n’dengue sempre a chorar
Na hora é só demora quem dá de novo é o povo
Quem dá de novo é o povo

CLARICEPaulo Flores

Ca kré levá nha vida assim
Um ta precisa de bó junto di mi
Ca kré levá nha vida assim
Si bó fica perto de mi
Ca tem vintem ma um ta sabe
Oh meu amor oh minha esperança
Oh minha dor oh meu olhar criança
Eu canto em teu louvor oh meu amor
Cretcheu ó dor di nha peito
Cretcheu ó nha querida
Mesmo que bó tá longe bó tá perto
Cretcheu ó luz di nha vida
Amor oh dor no meu peito
Amor minha querida
Eu choro o teu amor
E canto em teu louvor o meu amor
Si bó ta bém um ta gosta
Um ta flabo um ta sabe

ANGOLA QUE CANTAPaulo Flores

Numa corda de viola numa estrada principal
No trilho do sonho na força do grito do Marçal
Na vida de um choro que morreu sozinho
Vem comigo meu amor amigo meu vizinho
Segue o meu caminho vem ouvir...Angola que canta
Na fúria da onda da nossa calema
Da ginga do puto na finta do esquema
Na nova esperança cadê o problema...Angola que canta
Nesse meu abraço sincero apertado
Te espero ao meu lado a ouvir...Angola que canta
Na sorte adiada na espera do sonho capital...Angola que canta
Põe essa tristeza de lado veste esse sorriso
Não faz mal
Kota Lurdes, kota Elias, Carlos Vieira Dias
Força aqui, força lá...Angola que canta
Viriato minha cruz tua Angola me seduz
Força aqui, força lá...Angola que canta
Teta ando vai seguir cantando
Eu vou voltar...Angola que canta
Eleutério vai pintar uma Angola pra eu cantar
Força aqui, força lá...Angola que canta
Seja prosa ou poesia é linda a voz de Sofia Rosa...Angola que canta
Ser Rui Mingas, Manuel Rui, ser a Angola que já fui
Força aqui, força lá...Angola que canta
Carlos Burity cantou o Semba Bonga Kuenda na massemba
No domingo eu vou à Ilha ver a Banda Maravilha
Brilha no céu kota Liceu num poema de Jacinto
Por tudo isso eu vos pinto uma Angola que canta